TAUÁ - A ARTE INDÍGENA EM CERÂMICA

    Publicado por:  Denise da Luz Montenegro

TAUÁ – A ARTE INDÍGENA DA CERÂMICA

 

Nos dias 17 e 18 de maio de 2018 as turmas dos 3º, 4º e 5º anos participaram do Projeto Tauá – A Arte Indígena da Cerâmica com os monitores Fábio Mazzon e Pietro Rosa.

Existem hoje no Brasil mais de 250 sociedades indígenas, cada qual com sua cultura, seus costumes, suas crenças, sua arte. A cerâmica é muito presente nestas sociedades, fazendo parte da cultura material destes povos nativos sempre carregada de significados a serviço da manutenção da tradição do povo e da continuidade de sua identidade. Utilizando como ferramentas, gravetos, cipós, penas, pedras, sementes e principalmente as mãos criam panelas, vasilhas, vasos, cachimbos, apitos, brinquedos, urnas funerárias, instrumentos musicais que são posteriormente decorados com pigmentos naturais como o urucum e o jenipapo.

A oficina "TAUÁ – A Arte Indígena da Cerâmica" apresenta a importância, beleza e riqueza da cultura indígena brasileira, em especial a cultura da cerâmica, levando aos participantes a oportunidade de confeccionar com as próprias mãos um objeto, no caso desta oficina através da argila, utilizando-se a técnica do acordelado, comum a quase totalidade das comunidades indígenas brasileiras. TAUÁ significa argila em Tupi Guarani.

A argila, como material, é um elemento natural com muitas possibilidades. Alimenta a fantasia, exercita a paciência, a concentração, estimula a imaginação, o espírito criador, a sensibilidade e ainda desenvolve o conhecimento cognitivo e a psicomotricidade. Tendo como referência a cultura e sabedoria dos nossos povos nativos ancestrais, decifrando mistérios, dominando técnicas e colocando as mãos na massa, as crianças reconhecem capacidades de criar, reproduzir e produzir, tendo a argila como elemento para a expressão individual.

Esse projeto é realizado com o apoio do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Autor: Prof. Guilherme Butler, EM | Fonte: Denise Montenegro