Participação da SME no FLL 2018-2019: Regional e Nacional

    Publicado por:  Aline Alvares Machado
 
Em dezembro passado, 7 das 8 escolas que desenvolveram o projeto de Robótica em Contraturno Escolar em 2018 participaram da etapa Regional Paraná do FLL (FIRST LEGO League) para equipes de escolas públicas, privadas e equipes de garagem (não ligadas a instituições de ensino), em Curitiba, ao lado de mais de 20 equipes do Estado.
 
A etapa regional é classificatória para a etapa nacional, da qual participam equipes de todo o país.
 
Na etapa Regional do Paraná foram classificadas 5 equipes para participação no torneio nacional. Dessas 5 vagas, 3 foram conquistadas por equipes de Escolas Municipais. São elas:

 
CONECTADOS, da Escola Municipal Cel. Durival Britto e Silva - Cajuru (NRE Cajuru), que ficou em 3º lugar;
CYBER REX, da Escola Municipal Pref. Omar Sabbag - Cajuru (NRE Cajuru), em 4º lugar; e
FUSION ROBÔS, da Escola Municipal São Miguel - CIC (NRE CIC), em 5º lugar.

 
A primeira colocada foi a equipe Francodroid, do Rio de Janeiro, e o segundo lugar ficou com a equipe Discovery Talents, da Escola Estadual Padre Morelli.
As equipes vencedoras dessa etapa do torneio irão participar da etapa Nacional, que acontecerá do dia 15 ao dia 17 de março de 2019, na cidade do Rio de Janeiro.
Outras equipes da SME também receberam premiações:

 
ALCATEIA ROBÓTICA, do CAIC Cândido Portinari (NRE CIC), ganhou dois troféus: Design Mecânico do Robô e Desafio Surpresa do Robô.
 
FUSION ROBÔS, da E.M. São Miguel (NRE CIC), ganhou o prêmio de Apresentação de Pesquisa.
 
CYBER REX, da E.M. Pref. Omar Sabbag (NRE Cajuru), conquistou o prêmio de Processo de Pesquisa.
 
TEAM ACTION, do CMAEE Profa. Maria Julieta Alves Malty (NRE Portão), conquistou o troféu de Trabalho em Equipe.
 
PAPA POWER, da E.M. Papa João XXIII (NRE Portão), ganhou o prêmio de Gracious Professionalism (categoria que premia o trabalho feito com ética, respeito e empatia a todos os membros da equipe e com todas as demais equipes do evento).
PASSEI PRO NACIONAL, E AGORA?
 
Desde a conquista, as escolas vêm se preparando e melhorando seus projetos de robô e de pesquisa para a participação no Nacional.
 
A equipe Fusion Robôs está aprimorando o Robô desenvolvido para as missões do robô, além de subsidiar ainda mais a pesquisa sobre o efeito da cromoterapia associada a óculos de realidade virtual na melhora da qualidade do sono dos astronautas, tanto durante as viagens, como durante sua estadia na ISS.
 
A equipe Conectados vem melhorando o produto desenvolvido a partir da Alfazema (Lavandula officinallis spp.), com o objetivo de reduzir o stress e a ansiedade associados ao trabalho na Estação Espacial Internacional (ISS), e assim, melhorar a qualidade de vida, em especial do sono dos cosmonautas.
 
O mesmo se aplica a equipe Cyber Rex, que está desenvolvendo um produto que pode auxiliar na manutenção do condicionamento físico e da saúde dos astronautas da ISS, com uma bota magnética que facilita a prática de exercícios físicos.
 
No dia 15 de março, acompanhados de seus professores e da Direção da unidade, os estudantes estarão no Rio de Janeiro, aprendendo com colegas de todo o país em um ambiente saudável, estimulante e divertido, num evento desenhado especialmente para os adolescentes.
 
A etapa nacional do FLL acontecerá no Armazém 2 do Pier Mauá, na cidade do Rio de Janeiro, a partir das 14h no dia 15 de março, se estendendo por todo o final de semana. No sábado (16) e no domingo (17), o evento terá início às 8h e irá até as 18h.
 
 

SAIBA MAIS SOBRE O FLL

 
 
Promovido todos os anos pela Fundação FIRST ("For Inspiration and Recognition of Science and Technology") com ajuda do LEGO Group, a FLL (FIRST LEGO League) é um programa internacional sem fins lucrativos, para jovens com idades de 9 a 14 anos nos Estados Unidos da América e no Canadá, e de 9 a 16 anos nos demais países, como é o caso do Brasil, com a finalidade divulgar o conceito da FIRST, que é inspirar e celebrar a ciência e a tecnologia entre os jovens, utilizando contextos do mundo real.
 
A cada ano o programa baseia-se num tema diferente, relacionado com as ciências e a comunidade internacional. Assim, cada desafio dentro da competição é ligado a esse tema.
 
Assim, o FLL não envolve apenas construir e competir com robôs. O projeto de pesquisa é a oportunidade que as crianças têm para sentirem como é ser um cientista, um inventor ou um engenheiro.
 
Além disso, desde a inscrição até o final da temporada, os estudantes aprendem que competição amigável e ganho mútuo não são objetivos distintos, dentro de princípios éticos que regem a competição e são chamados de Core Values. Os Core Values devem ser praticados por todos os participantes, competidores, técnicos, juízes, ou qualquer outra pessoa envolvida na competição.
 
As temporadas do torneio são baseadas no calendário escolar norte-americano, iniciando sempre no mês de agosto e finalizando entre os meses de abril e maio do ano seguinte.
 
Na temporada 2018-2019, o tema é Into Orbit, ou Em Órbita. Assim, os desafios e a pesquisa devem ter como objetivo melhorar a vida dos seres humanos enquanto eles vivem e viajam no espaço.
 
A culminância de cada temporada são os torneios, nos quais acontecem provas que os robôs, construídos pelas crianças, devem cumprir sobre uma mesa denominada "tapete". As equipes necessitam disputar, no mínimo, três provas nas "missões com robôs". A pontuação que conta é a mais elevada das três. As equipes também necessitam fazer para uma banca de juízes, em cinco minutos, uma apresentação do seu trabalho. Os juízes são peritos na temática abordada no torneio. e avaliam a qualidade de pesquisa, a técnica de construção de robôs, o nível da compreensão científica e a qualidade da apresentação.
 
Ao fim do dia de competição, existe uma cerimônia de entrega de troféus.
 
Importante salientar que o operador nacional do torneio no Brasil é o Colégio SESI, que atua em estreita parceria com as redes públicas. Dessa forma, as inscrições e materiais de cada temporada são fornecidas por essa instituição para todas as unidades da RME que optam por participar do torneio, sem ônus para a rede.
 
Os torneios são disputados sequencialmente:
Torneios Locais ou Regionais - como o nome indica, são de menor porte, acontecendo, no Brasil, em vários, mas não todos os Estados do país. Envolvem um número menor de participantes.
Torneios Nacionais - de maior dimensão e importância, envolvem as equipes as vencedoras nos torneios locais.
 
As equipes melhor classificadas nas etapas nacionais ganham vagas em torneios internacionais de robótica em todo o mundo, sendo os principais nos Estados Unidos.
Autor: Aline A. Machado | Fonte: CTDI