O que nossas crianças fizeram durante o Recesso Escolar? A magia dos quintais se acabou?

    Publicado por:  Caroline Kupczki Krezko
O que nossas crianças fizeram durante o Recesso Escolar?
A magia dos quintais se acabou?
 
“E aí” muitas vezes ficamos no discurso de que as infâncias das crianças de hoje não é a mesma e que a magia do nosso tempo não acontece nos tempos atuais.
Fato, a infância não é a mesma, no entanto a magia continua, nos quintais e nos Shopings Centers! Crianças nos tempos de hoje fazendo as mesmas magias em lugares semelhantes aos da nossa infância, mas com um toque mais sofisticado!
As professoras do Pré1A e Pré1B antes do recesso enviaram a todas as crianças uma sacola, com a seguinte tarefa, guardar na sacola lembranças de atividades realizadas por elas, que fossem significativas, no período de férias. Poderia ser uma foto, um desenho, o comprovante do ingresso do cinema, o bilhete de uma passagem, o papel do chocolate...
E as crianças voltaram com a sacola cheia de coisas; muitas histórias registradas por elas e pelas famílias, que entraram na onda, tornando, mais significativa ainda à proposta.
Os relatos seguiram assim: - “minhas férias foram muito divertidas - fui passear na vovó - andei de ônibus azul – brinquei com os primos – Era tão bom na casa da vovó que eu nem queria vir embora, lá tinha rodeio, cavalgada, vi cavalos, boi; eu queria pegar um cavalo, mas não consegui e nem meu pai consegui.” (André, 4 anos – Pré B); O Gustavo (Pré B) foi em um restaurante chinês! O Bernardo (Prè B) fotografou tudo que fez e não foi pouco o que fez! O Maycon Lucas do Pré A desenhou suas peripécias: ele andou de trenzinho, de bicicleta, foi no Aeroporto, no parquinho, brincou de carrinho com o papai e a mamãe; Foi no Shoping Palladium, comprou brinquedo, cortou o cabelo, brincou com o irmão; Fui na loja comprar uma cadeirinha para andar de carro com o papai;
O João Victor (Pré B) plantou feijão, comeu porcariada; O Luis Henrique (Pré B) foi catar pinhão no Sítio da avó, foi no Zoológico.
As histórias trazidas pelas crianças e seus familiares nos revelaram aspectos bem importantes.
No cotidiano da Educação Infantil há uma grande preocupação em proporcionar as crianças explorações ao ar livre, em contato com a natureza; muitas vezes supondo que as crianças de hoje não vivem essas experiências. No entanto, as crianças lá no cotidiano doméstico, têm os seus quintais, a maioria na casa dos avós. Ficou comprovado, na casa dos (das) avós é o território mais provável para acontecer à magia. Outra faceta das histórias é a sofisticação da infância de nossas crianças. Elas brincam nos quintais, com toda a riqueza de experiência que esses ambientes oferecem! E, vivem, também a infância moderna com acesso as tecnologias, indo nos Shopings Centers da vida, no Cinema, carregando um tablet, um celular.
A infância realmente não é a mesma. Talvez ela seja mais complexa e exige mais dos adultos para de acompanhar esses saberes e experiências que as crianças trazem consigo.
O que fica de tudo isso?
Histórias como ponto de partida. Mas com objetivos de continuidade. Considerando as experiências e sofisticação da infância dos tempos atuais.
Não podemos jamais permitir que a magia da infância se acabe.
Ela futuramente fará parte das melhores memórias das nossas crianças!
Autor: Dr. Eraldo Kuster, CMEI | Fonte: Ivete Bussolo
00147646.jpg
férias 1
1/6