O Jogo das moradas pulsantes

    Publicado por:  Rosani Machado

Durante o 1º trimestre, as turmas do 5º ano A, B e C, das professoras Neuza Lopes de Souza Negrão, Madelon Gisele Sabag Laureanti e Keller Ventura, trabalharam com o livro “O JOGO DAS MORADAS PULSANTES”, do autor Rogério Coelho.

O livro conta a história de uma menina chamada Bia, que deseja muito voltar a conviver com a avó, que estava internada em um hospital. Bastante triste, a menina recebe a visita da misteriosa Moça de Preto, que a convida para participar de um estranho jogo que pode salvar sua avó. Seguindo as instruções da moça, Bia vai parar na Terra das Moradas Pulsantes, onde há uma casa, em situação precária, que representa a avó. Para chegar a essa casa, a garota tem de vencer três desafios propostos por animais falantes. Ultrapassada essa etapa, a menina chega à casa e inicia o trabalho de reforma do imóvel, cujo resultado terá consequências diretas na recuperação de sua avó. No desenrolar desse jogo, Bia faz importantes descobertas para sua própria vida.

O trabalho teve como objetivo o desenvolvimento da leitura prazer e fruição, interpretação de texto, argumentação e opinião. Além disso, questões emocionais e sentimentais dos alunos também foram bastante exploradas com o livro, principalmente sobre aquilo que desejamos resolver e nem sempre conseguimos, como a personagem Bia percebeu.

A leitura do livro foi realizada em partes, pelas professoras, na sala de aula.

O fechamento do trabalho aconteceu com a confecção de uma maquete, onde os alunos, com ajuda dos familiares, deveriam confeccionar uma casa que os representasse, que mostrasse como estava a casa deles, não a física, mas sim a casa coração.

O aluno Carlos Eduardo de Mello disse que “não devemos sempre achar que conseguiremos resolver todos os problemas e salvar as pessoas”.

Parabéns às professoras e alunos pelo bonito trabalho e aos familiares pela participação e colaboração na confecção das maquetes.

Autor: Prof. Leonel Moro, EM | Fonte: Professoras Keller Ventura e Neuza L. S. Negrão