Equipe Conectados participa pela 2ª vez de torneio internacional de Robótica da LEGO

    Publicado por:  Aline Alvares Machado

Em março, a Prefeitura Municipal de Curitiba participou com 3 escolas representando a educação municipal na etapa Nacional do Torneio de Robótica FLL - FIRST LEGO League: a equipe Fusion Robôs, da Escola Municipal São Miguel (CIC); a equipe Cyber Rex, da Escola Municipal Pref. Omar Sabbag (Cajuru); e a equipe Conectados, da Escola Municipal Cel. Durival Britto e Silva (Cajuru).

No FLL, as crianças de 9 a 16 anos são incentivadas não apenas a construir e programar robôs, mas também a criar soluções inovadoras para problemas da vida real, com base na temática que é diferente a cada temporada. Na temporada 2018-2019, o tema foi “Em Órbita”, e, além da prova do robô com tarefas temáticas, as equipes precisaram desenvolver soluções criativas para melhorar a qualidade de vida dos astronautas enquanto eles vivem e viajam no espaço. Isso tudo deve ser realizado com base em estudos científicos, e sempre com muito respeito, trabalho em equipe, autonomia e protagonismo dos estudantes, o que pressupõe uma relação mais horizontal do professor em relação às atividades do projeto: o professor ensina e orienta, mas a equipe toda. que tem de 112 a 15 anos de idade, participa das decisões.

No Rio, a equipe Conectados se classificou para a etapa internacional no Líbano, que acontecerá na cidade de Byblos nos dias 14, 15 e 16 de junho. O evento será sediado pela Universidade Americano-Libanesa (LAU), terá a participação de 70 equipes de mais de 30 países diferentes, entre eles Itália, Estados Unidos, Índia, México, Japão, África do Sul, Emirados Árabes, Áustria e outros.

Desde março, a preparação tem sido intensa, com encontros diários para: reformulação do robô e da programação, com o objetivo de melhorar a pontuação no desafio do robô; aulas de inglês, para a apresentação dos projetos; melhorias no projeto de pesquisa; tradução dos materiais da pesquisa. Toda a equipe passou os últimos três meses totalmente imersa no tema, com o apoio dos profissionais da SME e de colaboradores voluntários de várias universidades.

Além do desafio do robô, a equipe também irá passar por uma banca avaliadora, para a qual deverá apresentar, em inglês, o robô e a estratégia desenvolvida para a prova (avaliação de Design do Robô); o projeto de pesquisa, que consiste em uma formulação com microcápsulas de óleo essencial de lavanda para reduzir o estresse dos astronautas (avaliação do Projeto de Pesquisa); e a forma como eles desenvolveram esse trabalho com amizade, espírito de equipe e de competição amigável (avaliação de Core Values).

Para concorrer a uma premiação, as equipes precisam apresentar equilíbrio nas 4 áreas avaliadas: assim, não há peso maior em nenhuma prova ou avaliação, o principal critério para eleição dos chamados “Champions” (os 3 primeiros colocados) é a uniformidade da equipe em todos os quesitos.

É importante destacar que, nesta temporada, a equipe de Curitiba é a única equipe de escola pública a participar de uma etapa internacional do FLL.

A equipe tem 9 anos de existência na unidade, e atualmente é composta por 10 estudantes, sendo 4 meninas e 6 meninos. No ano passado, quando a temporada se iniciou e a equipe foi classificada para a etapa nacional, todos eram estudantes da escola, mas, como alguns estavam no 9º ano do Ensino Fundamental, neste ano de 2019 4 deles já pertencem a outras redes de ensino, pois estão no Ensino Médio.

Esta é a segunda vez que a equipe Conectados participa de um torneio internacional, tendo participado anteriormente em 2016, em Houston, nos Estados Unidos. Uma estudante da equipe participou do torneio internacional em 2016 e está participando novamente neste ano.

A classificação para as etapas nacional e internacional demonstra a seriedade do trabalho realizado nas escolas que tem o projeto de robótica, pois, para tanto, elas concorrem com escolas públicas e particulares de todo o país.

As viagens oportunizadas por esses eventos dão a essas crianças e adolescentes a oportunidade de conhecerem pessoas da mesma idade, de diferentes lugares e culturas, mas que possuem um interesse em comum: a paixão pela robótica e pelas tecnologias.

A participação no torneio, incluindo inscrições e custeio da viagem, está sendo integralmente promovida pela SME.

O projeto de Robótica em Contraturno Escolar (Ensino Fundamental II) existe na SME desde 2004 e está, em 2019, completando 15 anos de existência. Com várias reformulações ao longo dos anos, o objetivo é que as crianças ocupem uma postura crítica e um lugar de protagonismo social por meio das tecnologias.

Para saber quais escolas de Ensino Fundamental II estão participando do projeto de Robótica Educacional em Contraturno em 2019, clique aqui.

Para saber mais sobre o projeto, clique aqui.

Autor: SME | Fonte: CTDI
00223664.jpg
Conectados preparação para Open Lebanon 2019
1/15