Educação terá centro de referência em autismo e CIC ganhará CMAEE

    Publicado por:  Claudia Pereira Muniz

Curitiba será a primeira cidade do Brasil a contar com um Centro de Ensino Estruturado para o Transtorno do Espectro Autista (TEA) voltado a crianças e estudantes da rede municipal de ensino. A inauguração do novo espaço, que funcionará na sede da Secretaria Municipal da Educação, no Alto da Glória, está prevista para 10 de setembro.

O anúncio foi feito pela secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila, na abertura do I Fórum Curitibano sobre Autismo, nesta quinta-feira (22/8), no Salão de Atos do Parque Barigui.

A secretária também confirmou que a Regional CIC ganhará um Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado (CMAEE). Com isso, todas as dez regionais passarão a contar com um CMAEE, unidade voltada ao apoio especializado às crianças e aos estudantes com deficiência, autismo, altas habilidades e transtornos funcionais específicos da aprendizagem.

“É com imensa alegria que hoje anuncio aqui, em nome do prefeito Rafael Greca, que teremos o CMAEE da CIC, no Cauiá, e o primeiro centro do Paraná e do país voltado a estudantes com TEA e suas famílias. A expectativa é atendermos cerca de 300 estudantes ao mês”, disse Maria Sílvia.

A rede municipal atende 1.105 estudantes com TEA. Os estudantes em inclusão somam 2,5 mil na rede municipal de ensino, entre os 140 mil alunos.

Para o novo centro, os professores recebem formação específica. "E as famílias também contarão com um trabalho personalizado de orientação, tanto com relação ao manejo comportamental com os filhos, em casa, quanto na atenção aos cuidados com eles mesmos, responsáveis pelas crianças”, explicou a secretária.

A diretora do Departamento de Inclusão e Atendimento Educacional Especializado, Gislaine Coimbra Budel, destaca que uma das prioridades da secretaria é trabalhar para que todos sejam atendidos em suas especificidades, incluindo no processo de escolarização ações voltadas ao desenvolvimento e à participação efetiva de estudantes com deficiência.

Essas ações estão em expansão desde 2017. Em 2016, 281 crianças contavam com auxiliar em sala para a inclusão. O número de atendimentos saltou para 853 neste ano.

A secretaria oferece 15 modalidades de atendimento a estudantes em processo de inclusão, o que permite que cada estudante seja atendido com equidade, conforme as suas necessidades.

O município conta com profissionais de apoio para esse público e formação continuada para os profissionais.

Autor: SME | Fonte: DIAEE