Café de Despedida Lourdes e Maria

    Publicado por:  Juliana de Araújo Faustino

Aposentar-se: Sensação do dever cumprido

             Quando chega o dia da esperada aposentadoria, sentimentos opostos se confundem em nosso íntimo. A princípio, uma alegria enorme por termos, enfim, recebido oficialmente a declaração de já cumprimos, totalmente, o compromisso assumido nos melhores anos da juventude. Logo em seguida, vem a tristeza de nos privarmos tanto da convivência diária com amigos conquistados e colegas de trabalho quanto do exercício da atividade profissional dignificante que, por décadas, garantiu nosso sustento e ocupou a maior parte do nosso tempo.

               Nessa hora, em flashbacks, passa o filme de uma vida inteira de dedicação, renúncias, momentos bons, outros ruins, situações nas quais chegamos até a pôr em risco a nossa integridade física e/ou a própria vida para darmos o melhor de nós e atingirmos a excelência na proposta de trabalho que nos foi confiada. É quando tomamos a exata consciência do tamanho que a nossa parcela de contribuição teve para a edificação da sociedade em que vivemos. Fazemos um balanço de quantas pessoas estiveram sob a nossa responsabilidade e do peso que a nossa postura e disposição para atendê-las tiveram em suas vidas.

               Aposentadoria é apenas um período que conquistamos para nos cuidarmos mais, para estarmos mais presentes no seio da família, para estreitarmos laços de amizade que o tempo reduzido inviabilizou, para deixarmos de ser escravos do relógio; enfim, para seguirmos vivendo de forma desacelerada e fazermos o que tivermos vontade.

             Apesar de lamentarem a ausência física da pessoa que se afasta, os que permanecem resignam-se, pois sabem que é algo benéfico e merecido. Há, inclusive, um detalhe que não deve ser esquecido: a pessoa que se aposenta apenas se desvincula de um contrato profissional. Ninguém se aposenta dos amigos e muito menos da profissão que abraçou.

             Por isso, devemos nos alegrar, pois não perdemos a amiga ou a colega de profissão – ela poderá nos visitar quando desejar e sempre será muito bem-vinda à aquele que foi o seu local de trabalho e, com certeza, jamais sairá da sua memória e do seu coração.

Nós do CMEI Santos Andrade agradecemos todo o carinho e dedicação dispensados com as nossas crianças durante tantos anos, desejamos uma aposentadoria plena, muita saúde e felicidade para poder aproveitar com maior plenitude os momentos de lazer com a família e amigos.

Muito Obrigada!  Lourdes e Maria Nacilda

Autor: Santos Andrade, CMEI | Fonte: Juliana Faustino
00106299.jpg
Café de despedida para as funcionárias Maria de Lourdes e Maria Nacilda
1/6