Borboleta fora do casulo

    Publicado por:  Josiane Nalin Pine

As professoras da turma do Pré II A, perceberam desde o início do ano que a turma gosta muito de dançar! Tornou-se corriqueiro formarem rodas espontâneas para dançar ao som de diferentes ritmos. Nestas rodas, as crianças costumam dirigir-se ao centro e apresentar o que criam no momento, sempre inovando nos passos e empolgando os amigos, levando-os a aplaudir quando gostam muito.

No início, poucas crianças se arriscavam a dançar no centro, somente acompanhavam dançando na grande roda, porém com o tempo foram se soltando, ampliando e criando seus movimentos, aguardando ansiosas o amigo voltar para a roda, para poder entrar e dançar.

Numa dessas oportunidades, uma menina nos chamou atenção, apesar da timidez, foi para a roda e se arriscou demonstrando alguns passos de balé, porém ela só aceitou após o pedido das professoras, que sabiam que ela praticava o balé, e a incentivaram a demonstrar aos amigos o que já havia aprendido. Esta menina, chamada Isabela está no CMEI desde o berçário, e sempre foi uma criança tranquila, muito meiga e um pouco tímida. Ela faz balé e sempre comenta com as professoras e amigos, seus ensaios e apresentações. E nesse dia apresentou pela primeira vez a sua dança. As crianças assistiram com os olhinhos atentos, aplaudindo muito e pedindo “mais um” ao final, inclusive começando a dançar juntos, acompanhando cada gesto da Isabela com muita concentração. Dançaram várias vezes, em várias ocasiões, espontaneamente, sempre tendo a Isabela a frente, como “modelo”. Seguiam cada passo seu, de forma organizada e tranquila, sem qualquer intervenção das professoras, enquanto que Isabela a cada apresentação demonstrava grande entusiasmo e comprometimento, dançando e ao mesmo tempo observando se seus amigos estavam fazendo certinho, elogiando alguns ou chamando a atenção de outros. Diante desse espetáculo do protagonismo infantil, as professoras fizeram o convite para a Isabela e as crianças para que fizessem uma apresentação para todos do CMEI no momento cultural. A turma ficou empolgada com a ideia, e a Isabela disse que teria “coragem”, apesar de toda sua “timidez”.

No dia 27/09 no período da manhã, as crianças fizeram essa apresentação. Foi lindo e emocionante, todos do CMEI (crianças e adultos) assistiram encantados em silêncio e boquiabertos. Foram muito aplaudidos e ao final, todas as crianças da turma foram ao encontro da Isabela num abraço coletivo, como que agradecendo-a pela maravilhosa apresentação e oportunidade de experimentarem essa emoção! As professoras sentiram-se extasiadas por terem conseguido fazer com que a criança fosse protagonista da sua história, incentivando colegas e formando bases de amizade, companheirismo, atitude, força, coleguismo. Quem sabe quais as sementes que plantou-se nessa história toda?

Autor: CMEI Jardim Esmeralda | Fonte: Adriane, Edilene e Christiane
00190132.jpg
A importância da escuta e observação
1/1