A poética da vida, marcas das nossas histórias...

    Publicado por:  Caroline Kupczki Krezko

“Viver poeticamente a vida” - Edgar morin

“Se você procurar bem, você acaba encontrando não a explicação (duvidosa) da vida, mas a poesia (inexplicável) da vida”. - Carlos Drummond de Andrade.

 

Em busca da poesia da vida, encontro de formação no outro dia despertou os mais puros e nobres sentimentos. Eles nos remeteram a nossa infância.

Falar desse tempo, mesmo que o texto seja uma simples narrativa, sem fazer uso da linguagem melódica; se transforma em poesia...

 É a poética da vida; são as marcas das nossas histórias...

Assim fomos convidadas a lapidar as narrativas da mini história, escrevendo uma mini história a partir do nascimento, falando um pouquinho sobre a trajetória de nossa vida.

As mini histórias, precisam de poesia e nada produz tanta poesia, quando falar da infância.

E quando o protagonista, a protagonista da história, somos nós mesmos/as, e da nossa infância, a poética recebe novos adereços; a escrita desperta emoções de lembranças, que estavam lá, quietinhas, guardadas no subconsciente.

Nesse tempo em que estamos sensíveis, emotivas; a manhã de formação trouxeram lágrimas de saudades, de angustias, de histórias felizes e outras não tão felizes.

São as marcas que acompanham as nossas vida, que ao lembrar trazem saudosismo, curas, empatia, acolhimento.

Resgata do amor mais puro e genuíno que existe dentro de nós.

A pureza da infância. O início, os primeiros instantes, anos da vida. Eles são peculiares, intensos, vulneráveis.

É o tempo da história da vida humana, que somos mais amadas/os, cuidados/das, protegidos/as.

Sim, há exceções, nesses casos, a escuta, o acolhimento é aumentado de ternura e amor.

Trazer a memória essa fase da vida, reacende a essência terna, o melhor de nós.

Lembra o quanto somos essenciais, enquanto trabalhadoras, mediadoras da infância e buscadoras da poética da vida...

 

Autor: Ivete Bussolo | Fonte: Ivete Bussolo
00290739.jpeg
Formação/remoto
1/2