A pesquisa, o encantamento e as tecnologias

    Publicado por:  Kauany Thais Nogueira da Silva

Nesta quarta-feira (04/05/2022) recebemos a visita de sete gestores da Educação, que debatem inovação, cidades educadoras, projetos pedagógicos, educação integral, sistemas de matrículas, robótica educacional, sendo eles o secretário de Educação Básica do MEC, Mauro Luiz Rabelo, e os gestores da Educação Sônia Maria Oliveira da Rosa (Porto Alegre/RS), Mauricio Fernandes Pereira (Florianópolis/SC), Antoine Lousão (Rio de Janeiro/RJ), Lígia Stocche (Recife/PE), Fernando Padilha Novaes (São Paulo/SP) e Cleuzenir dos Santos (Palmas/TO), Oséias Santos de Oliveira (Superintendência executiva), Andressa Woellner Duarte Pereira (Superintendência de Gestão Educacional), além da nossa secretária de Educação Maria Silva Bacila e nossa chefe de Núcleo/BQ Nilce Cardoso Malage. Neste mesmo dia também tivemos a honra de receber a equipe da Rede Brasileira de Aprendizagem Criativa (RBAC) acompanhada pela nossa Coordenadora de Tecnologias Digitais e inovação Estela Endlich. O CMEI Madre Elvira teve a alegria de receber o Farol do Saber Móvel para enriquecer as pesquisas da Educação Infantil, com tantas tecnologias modernas ampliando as experiências das crianças e as intencionalidades. A natureza nos presenteia com infinitas possibilidades de encantamento e através da escuta e olhar sensível às nossas crianças, é possível sim trazer para a Educação Infantil a aprendizagem científica, parafraseando Manuel de Barros, “não quero dar informações, quero dar encantamento", as crianças criam suas hipóteses, pesquisas, investigam e entre pares realizam suas descobertas como um ser inventivo e potente, permitindo a conexão das crianças com a essência. Transformações, renovações, minúcias e maravilhamento que reverbera em nosso cotidiano, que aguça a curiosidade das crianças e assim vivemos nossas descobertas através do encontro de Beatriz com uma borboleta... Interesse que reverberou por todo o grupo, tivemos muitas pesquisas, observações e curiosidade. A criança nasce com instinto investigador e nós como mediadores incentivamos e proporcionamos a vivência minuciosa dessas pesquisas.  Acompanhamos a evolução de lagarta para casulo, ampliando nossas pesquisas com o uso do microscópio e enfim a transformação da tão esperada borboleta. 

Autor: CMEI Madre Elvira | Fonte: CMEI Madre Elvira
00344271.jpg
Gestores da Educação
1/46