A INTEGRAÇÃO COM AS CRIANÇAS E FAMÍLIAS, FOI UM ACALENTO AO CORAÇÃO ...

    Publicado por:  Caroline Kupczki Krezko

 

O Sábado de Integração com as crianças e famílias, foi dia de pelas telas do computador, do celular, rever os amigos/as, as professoras, falar da vida, amenizar as saudades, compartilhar aprendizagens; olhar o percurso das crianças, as experiências vividas nos quintais, quartos, cozinhas, corredores, salas, garagens, lavanderias das casas das crianças; foi dia ouvir as famílias e estreitar ainda mais o vínculo afetivo, que já está bem juntinho. Uma cumplicidade tão boa de viver...

O encontro aconteceu organizado por turmas das crianças, com suas professoras e famílias, mediadas pela gestora, ou a pedagoga. Diante do contexto de que temos seis turmas, foi necessário abrir duas salas no Google Meet por horários. Tenho que admitir, não achei tão boa essa parte; gostaria de ter participado da integração com todas as turmas.  

A metodologia encontrada para não fragmentar as ações, respeitando o protagonismo, as características das professoras, mas conservando os mesmos princípios pedagógicos e, enriquecer a documentação pedagógica; antecipadamente, realizamos uma prévia, reunindo toda equipe, pelo Google Meet. Cada turma compartilhou a documentação pedagógica construída, com trocas, sugestões, validando, qualificando o trabalho de todas.

No dia letivo subsequente a integração com as famílias, realizamos novo compartilhamento com avaliação do encontro e assim documentar o percurso da unidade. São informações preciosas no processo formativo, no fazer pedagógico...

A integração foi organizada em três momentos. Iniciamos com acolhimento as crianças e famílias, motivando as crianças nas interações com os/as colegas, as professoras, tendo a família ao lado da criança, sendo voz em alguns momentos, especialmente das crianças menores e incentivando, apoiando nas conversas e brincadeiras.

As crianças trouxeram magia, encanto, ao contar da vida, o que fazem, o que gostam, as saudades, os pedidos de voltar ao CMEI; cantaram; ouviram histórias. Os momentos evidenciaram as características das turmas, as faixas etárias, os diferentes tempos de desenvolvimento. Houve turmas, cuja ansiedade era tanta, que falavam todas ao mesmo tempo. Lembrou bem as interações do CMEI, o barulho de vozes desordenadas, que pareciam desconexas, mas que na realidade estava muito bem conectadas e externavam o jeito de ser criança; de não conter o entusiasmo; a alegria de falar com os colegas, com as professoras. A saudade era grande demais e mostravam aos amigos/as os brinquedos que gostam. Era um tal de professora estou com saudades, eu te amo, quero voltar para a escola e como disse a Louise do Maternal II, prof., “a escola já está ?abrida’... É tudo que queremos, a “escola abrida”. (Falta pouco, crianças).

Elas falaram e perguntaram e pediram para cantar, e, nesses momentos, com as canções que estavam acostumadas no CMEI, a desordenação das vozes deu lugar a um só coro; quer dizer, quase um só, já que pela plataforma o tempo do áudio sofre interferência. Teve até canto de parabéns, tinha aniversariante numa turma. Teve uma turma que a professora, havia gravado um vídeo ensinando fazer a massinha de modelar. As crianças entenderam como se fosse ao vivo e foram logo, buscar suas massinhas que haviam feito em outras propostas do whatsapp, proporcionando uma deliciosa, apaixonante integração, das crianças cada uma de sua casa brincando juntas com massinhas de modelar e por aí seguiram as interações. Se dependesse só das crianças a integração teria seguido longe...

Na sequência as professoras evidenciaram com a documentação pedagógica o percurso das aprendizagens das crianças; construídas a partir das observações de imagens, vídeos, áudios postados pelas famílias nos grupos de whatsapp e de outras devolutivas das famílias em relação as propostas enviadas, as vídeos propostas e as aprendizagens das experiências vívidas no cotidiano de casa, aquilo que poderíamos chamar de currículo oculto, mas que especialmente, neste tempo, são de grande visibilidade, já que pela ferramenta de whatsapp, Google Meet entramos nas casas das crianças.

No 3º Momento, reservamos para escutar as famílias, sabermos dos sentimentos, os desafios, os avanços, as dúvidas e ouvir um pouco mais sobre as aprendizagens das crianças no olhar da família.

As famílias falaram dos seus grandes desafios, de quanto está sendo difícil conciliar o trabalho, o cuidado dos filhos/as, a mediação do ensino /aprendizagens das propostas do CMEI.

No entanto elas estavam agradecidas e enxergam a dedicação dos profissionais do CMEI, as aprendizagens das crianças reveladas pelas propostas enviadas; Enalteceram o Ensino público, afirmando que o CMEI e o Ensino Público da Rede não perde em nada para escola privada, e que em muitos aspectos a escola pública supera.

Elogiaram a qualidade das interações das professoras nos grupos de whatsapp; mesmo à distância elas sentem e percebem que as crianças estão sendo educadas e cuidadas que há muito vínculo das crianças com as professoras. Houve um relado de uma mãe, que sua criança não chegou a frequentar nenhum dia o CMEI, mas que ela anda com as fotos das professoras que foi enviado para casa com o planejamento, dizendo que são as suas professoras.

Neste tempo de Ensino a distância, tanto as famílias, quanto a equipe do CMEI, em muitos momentos nos sentimos angustiadas/os em relação as aprendizagens das crianças, como estão suas vidinhas, na maior parte do tempo distantes do nossos olhos e das famílias havia a insegurança, por não sentirem-se preparadas para fazer a mediação das aprendizagens das crianças, que normalmente aconteceria no cotidiano da Unidade Educacional.

Terminamos a integração, as famílias e nós com uma certeza. As propostas enviadas para casa, as vídeos propostas e principalmente a qualidade das interações nos grupos de whatsapp trouxeram muitas aprendizagens significativas as crianças e vínculo afetivo estreito.

Sim o Ensino a Distância na Educação Infantil, não é o ideal e esperamos que ele esteja chegando ao final. Mas quando se tem o olhar de potência à criança; olhar para o seu protagonismo e para a construção e manutenção do vínculo afetivo, o Ensino a distância faz todo o sentido e as aprendizagens significativas acontecem e aconteceram com muita qualidade no CMEI Dr. Eraldo Kuster.

O que dizer de tudo isso...

Nós temos crianças potentes e protagonistas, porque temos professoras e famílias potentes e protagonistas.

No CMEI Dr Eraldo Kuster todos e todas são protagonistas de suas histórias.

 

 

Autor: Ivete Bussolo | Fonte: Ivete Bussolo
00303100.jpeg
Integração com as famílias e crianças/online.
1/31