A Árvore Robótica na SEP 2018

    Publicado por:  Aline Alvares Machado

Durante a Semana de Estudos Pedagógicos (SEP) de 2018, acontece também a Expo Educação, um evento cujo objetivo é proporcionar aos 18.000 profissionais da educação vivências e oficinas rápidas de alguns dos serviços dos departamentos da Secretaria Municipal da Educação (SME) de Curitiba.

A Robótica é um dos serviços da Coordenadoria de Tecnologias Digitais e Inovação, que concebeu seu estande como uma “cidade inovadora”. Dentro dessa concepção, o espaço da Robótica foi pensando como uma Praça: um ponto de encontro onde você pode aprender, explorar, interagir e se divertir.

Como elemento central desse espaço, pensamos em uma árvore robótica, unindo natureza, tecnologia e inovação. Essa árvore, não por acaso, é inspirada nas Araucárias, árvore símbolo de Curitiba e do Estado do Paraná, como um todo.

Para a construção dessa árvore, pensamos em várias possibilidades e, junto com os professores Luciano Frontino de Medeiros e Álvaro Crovador, da Uninter, e com a professora Sheila Dantas, mestranda em Tecnologias na mesma instituição, chegamos ao modelo exposto na SEP.

A árvore foi construída com canos de PVC e os circuitos, feitos com cabos reaproveitados e uma placa Arduino Uno.

Arduino é uma plataforma open-source de prototipagem eletrônica com hardware e software flexíveis e fáceis de usar, destinado a artistas, designers, hobbistas e qualquer pessoa interessada em criar objetos ou ambientes interativos (FONTE: www.arduino.cc). Com ela, é possível ampliar o trabalho com a Robótica, não ficando limitado a kits prontos e caros: a liberdade criativa é muito maior, e o custo, muito mais baixo. Um kit inicial para trabalhar com esse tipo de placa, atualmente, pode ser encontrado no mercado a partir de R$200,00. É, portanto, uma plataforma de baixo custo, permitindo que mais pessoas tenham acesso a esse tipo de tecnologia.

Os materiais utilizados nas "carcaças" dos modelos construídos com Arduino dependem da finalidade, mas também, e principalmente, da criatividade de quem está com a mão na massa!

Já a programação pode ser feita em uma linguagem própria, ou ainda, em blocos, em uma plataforma adaptada específica chamada Scratch para Arduino (S4A). Você pode simular a programação mesmo sem ter uma placa em mãos, acessando o site http://tinkercad.com/circuits.

No caso da árvore robótica exposta na SEP 2018, além dos tubos e conexões de PVC, também utilizamos PLA, o chamado "plástico de amido", na confecção das pinhas, que foram feitas em uma impressora 3D. O modelo para a impressão da pinha foi retirado do banco de ideias online Thingiverse (http://www.thingiverse.com), encontrado lá como “Fibonacci Ball”.

Para quem não sabe, Fibonacci, ou Leonardo de Pisa, é um matemático italiano que viveu de 1170 a 1250 e é bastante reconhecido, entre outros trabalhos, pela descoberta da chamada “sequência de Fibonacci”. A sequência de Fibonacci nada mais é do que uma sequência de números inteiros, começando normalmente por 0 e 1, na qual cada termo subsequente corresponde à soma dos dois anteriores. Os números de Fibonacci são, portanto, os números que compõem a seguinte sequência:

0,1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144, 233, 377, 610, 987, 1597, 2584...

Essa razão numérica aparece no mundo vivo, em configurações biológicas como a disposição dos galhos de uma árvore, das folhas em uma haste, no desenrolar das folhas da samambaia, ou ainda, no arranjo do cone da alcachofra e, claro, da pinha das coníferas, como a Araucária, árvore símbolo do Paraná.

Assim, se baseando nessa razão numérica, foi desenhada a esfera modelada na impressora 3D, em plástico altamente biodegradável.

O uso de materiais reaproveitados na construção da árvore (que incluiu sucata literalmente encontrada no lixo de vizinhos), foi intencional, como mais uma demonstração de que a tecnologia de ponta pode ser feita com responsabilidade ambiental.

Autor: SME | Fonte: CTDI