Sete mil crianças voltam às salas de aula da rede municipal de ensino

    Publicado por:  Maria Duarte

Cerca de sete mil crianças e estudantes voltaram às escolas municipais e aos CMEIs com o retorno do formato de híbrido de ensino - com atividades presenciais e videoaulas. Nesta manhã gelada de segunda-feira (19/7), os primeiros estudantes do programa Leia+ começaram a frequentar as salas de aula presencialmente.

Devido à pandemia do novo coronavírus, o ensino esteve no formato exclusivamente remoto até esta segunda-feira. A partir de agora retorna com duas opções para as famílias: o modelo híbrido ou o totalmente remoto.

A retomada das atividades pedagógicas nas unidades foi possível graças ao avanço da vacinação e à melhora dos indicadores da covid-19, explica a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila. A Secretaria da Saúde ofertou vacinação a todos os professores acima dos 18 anos e neste momento a capital do Estado está na bandeira amarela.

“Vamos monitorar a situação em todas as unidades e seguir as normas do nosso protocolo sanitário à risca”, afirmou Maria Sílvia. “Enquanto durar a situação de pandemia, a escolha continua sendo das famílias, que decidem se a criança vai frequentar a unidade presencialmente ou se permanecerá acompanhando os conteúdos pelo ensino remoto.”

O formulário para os pais e responsáveis escolherem o formato já está no ar, no site da Educação.

Saudade

Nesta segunda-feira (19/7) 50 escolas e 50 Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) voltaram a funcionar no formato de ensino híbrido (com aulas presenciais e videoaulas da TV Escola Curitiba).

Estas cem unidades fazem parte do programa Leia+, Liga pela Equidade, Igualdade e Alfabetizações, que inclui ações em favor da equidade e da alfabetização de acordo com a realidade de cada local. As famílias das crianças destas unidades já foram consultadas e optaram pelo formato de ensino híbrido.

Na Escola Municipal Pilarzinho, a estudante Eduarda Santos Arena, 8 anos, foi uma das primeiras a chegar. “Eu estava com muita saudade dos meus amigos e das professoras”, contou Eduarda.

Ela disse que gosta mais de matemática. “Aqui é bem melhor de estudar”, disse a menina, que assim que entrou na sala pegou a caixa de lápis de cor e fez um desenho dela, com um sorriso.

A professora Joseneide Felbhaus concorda com Eduarda. “Apesar do frio, estou muito feliz de estar aqui hoje. Este espaço de sala de aula é muito rico e as crianças estavam sentindo falta”, disse a professora.

Na escola Pilarzinho, assim como nas demais unidades, os estudantes retornam em grupos. Nesta segunda, a escola recebeu 20 crianças. “A expectativa é grande, depois de um ano e meio todos estamos na maior alegria”, contou a diretora Siméia Araújo Brasileiro.

A partir de 2 de agosto, todas as 415 unidades (185 escolas e 230 CMEIs) da rede municipal deverão retomar as atividades híbridas. Para esses, os pais ou responsáveis devem preencher o formulário de escolha do formato na página da Educação.

Segurança

Para garantir um retorno seguro e dentro do Protocolo de Retorno das Atividades Presenciais, a Secretaria Municipal da Educação equipou todas as unidades com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), itens de limpeza, totens de álcool em gel 70%, termômetros e tapetes sanitizantes, entre outros produtos.

As escolas e CMEIs também estão recebendo serviços de sanitização com amônia quaternária, para eliminar fungos, vírus e bactérias. O produto é pulverizado nas superfícies.

Já foram investidos mais de R$ 2 milhões em itens de prevenção ao coronavírus, desde o início da pandemia. E mais aquisições serão feitas conforme a necessidade.

Protocolo próprio

O Protocolo de Retorno das Atividades Presenciais traz os cuidados necessários nas unidades da rede municipal de ensino. Toda unidade tem um comitê local para organizar e monitorar a nova rotina, de acordo com as orientações do protocolo.

O documento foi construído a partir dos estudos e planejamento de um comitê composto por 28 membros de diversos segmentos e validado pelo Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal de Saúde.

O protocolo prevê uso obrigatório de máscara, distanciamento entre as carteiras de 1,5 metro, horários alternados de intervalo, uso de álcool em gel, tapetes sanitizantes, interdição de bebedouros coletivos, aferição de temperatura, entre outros.

A ocupação máxima será de 50% da capacidade, o que varia conforme o tamanho da escola.

Em caso positivo de covid-19, deve ser feito o isolamento do grupo, que deverá acompanhar as videoaulas e não mais no presencial. As decisões referentes a isolamento e/ou fechamento de turmas ou de uma escola depende da avaliação do distrito sanitário.

Principais cuidados

- Uso obrigatório de máscara para profissionais e estudantes

- Totens e frascos de álcool gel disponíveis

- Horários de entrada, saída, refeições e intervalos escalonados para evitar aglomerações

- Interdição de bebedouros coletivos

- Distanciamento social de 1,5 metro

- Desinfecção de mobiliário e materiais em geral com álcool 70%

Autor: SME | Fonte: SME