Educação tem programação especial para marcar o Dia da Pessoa com Deficiência

    Publicado por:  Maria Duarte

O Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, comemorado em 03/12, vai render uma semana de atividades na Secretaria Municipal da Educação. 


De 29/11 a 03/12, o Departamento de Inclusão e Atendimento Educacional Especializado (DIAEE) vai realizar uma série de ações para dar visibilidade a esse público e esclarecer sobre as ações que o município desenvolve no atendimento e inclusão da pessoa com deficiência.
Uma das ações será a exposição, nos dez Núcleos Regionais da Educação, de trabalhos feitos pelos estudantes dentro do projeto “Curitibinhas na Inclusão, Bullying não”.


A comunidade poderá ver os trabalhos, respeitando o distanciamento social e com uso de máscara dentro das regionais.


O projeto, lançado em outubro de 2019, foi um avanço nas ações já desenvolvidas na rede municipal de ensino para combater essa prática e tem como mascote a gralha azul. “O nome dela é Sementinha, pois espalha as sementes do bem por onde passa, que são valores como respeito, amizade, solidariedade, amor, entre outros”, disse a Diretora do DIAEE, Gislaine Coimbra Budel.

Outra iniciativa será lançada também na próxima segunda-feira (29/11), quando o DIAEE levará ao ar, no site da Secretaria Municipal da Educação, uma galeria virtual com imagens e explicações sobre o trabalho desenvolvido na educação do estudante com deficiência.


“Curitiba, como cidade educadora, não deixa ninguém para trás, é uma cidade inclusiva e preparada para garantir oportunidades a todos”, destaca a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila.


A rede municipal de ensino de Curitiba tem cerca de 3 mil crianças e estudantes em inclusão, em turmas de Educação Infantil e do Ensino Fundamental e presta Atendimento Educacional Especializado a mais de 4 mil crianças e estudantes. A diretora do DIAEE, Gislaine Coimbra Budel, explica ainda que todas as ações na área atendem crianças e estudantes conforme as necessidades e especificidades de cada um.


São 15 modalidades de atendimento oferecidas a estudantes em processo de inclusão, o que inclui crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA), transtornos globais do desenvolvimento, altas habilidades/superdotação, síndrome de Down, comprometimento motor, entre outros.


Além de salas de recursos nas unidades e Centros Municipais de Atendimento Educacional Especializado (CMAEEs) em todas as dez regionais, a Educação oferece, desde 2019, um centro específico para o TEA. É o pioneiro Centro de Ensino Estruturado para o Transtorno do Espectro Autista (CEETEA), desenvolvido com metodologia própria. São seis salas de atendimento individual, que já voltaram a funcionar no formato presencial.


SITES e acessibilidade


O Sistema de Transporte para a Educação Especial (SITES) atende 2,4 mil estudantes, em trajetos realizados todos os dias de casa para a escola e da escola de volta para casa.
Atualmente, duas empresas administram os veículos da educação especial, a Trans Isaak, de Curitiba, e a Unicarga, de São Paulo. São 70 ônibus ao todo, com 77% da frota renovada.


Outra vantagem para os usuários é que as rotas agora são mais curtas e rápidas, sem a parada no antig

o terminal do bairro Cristo Rei, como ocorria até 2020, antes da pandemia da Covid-19 gerar a suspensão das aulas presenciais.
Essa medida de encurtar as rotas foi tomada pela Prefeitura de Curitiba para atender à solicitação das famílias.
O terminal foi desativado e agora o transporte é da casa do estudante até a  escola e de volta para casa ao final de cada período, pela manhã e à tarde. Isso encurta o tempo de permanência dos estudantes dentro dos ônibus.


O Sistema de Transporte para a Educação Especial existe há 37 anos com o objetivo de garantir o acesso dos estudantes às 34 escolas especiais localizadas em Curitiba. 


Escola de Pais


Criada em 2019, a Escola de Pais aproxima famílias e profissionais da Educação, com a missão ajudar os pais de estudantes em inclusão a se cuidarem e assim poderem atender com mais tranquilidade o desenvolvimento dos filhos com deficiência. As reuniões são mensais e abordam diversos temas.

Autor: SME | Fonte: SME