Histórico

"Os adultos sempre sérios
Sabem só me programar
Se eles não brincam comigo
Com criança eu vou brincar"

("O Robô", Toquinho)

A Robótica Educacional é uma modalidade de ensino que prevê a aprendizagem por meio da construção de modelos autômatos, ou seja, a aprendizagem a partir da construção de robôs capazes de executar tarefas e solucionar os problemas propostos.

De forma multidisciplinar e rompendo com as barreiras curriculares, os estudantes desenvolvem competências socioemocionais importantes, como cooperação, senso de responsabilidade, criatividade, autonomia, senso crítico, flexibilidade e autodeterminação, ao mesmo tempo em que aprendem importantes conceitos de Matemática, Física, Engenharia, Computação, Design, Ciência e Tecnologias.

Acreditamos que, dessa forma, a SME está contribuindo para a Redução das Desigualdades (ODS - Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 10: Redução das Desigualdades - Metas 10.1 e 10.2) , ao oportunizar aos estudantes vivências e a aprendizagem de conceitos de Tecnologias e outros, que são essenciais para os acadêmicos e profissionais que irão contribuir ativamente com o desenvolvimento econômico e social do país.

Além disso, também acreditamos que o uso da Lógica como elemento estruturante do trabalho permite que a Robótica Educacional seja considerada um excelente auxiliar na aprendizagem de conceitos em todas as áreas do conhecimento, como Linguagens e as Ciências Humanas, segundo o que afirmam os profissionais, estudantes participantes e ex-participantes do projeto, contribuindo, assim,  com resultados de aprendizagem relevantes de forma geral. Pela participação no projeto de Robótica em Contraturno escolar (direcionada para o Ensino Fundamental 2), vários estudantes egressos do Ensino Fundamental 2 conseguem bolsas de estudos em escolas privadas para o Ensino Médio e vagas em cursos técnicos e profissionalizantes, prolongando sua permanência no sistema de educação formal. É, ainda, no caso dos estudantes do Ensino Fundamental 2, por meio da Robótica Educacional em contraturno que acontece o ingresso precoce na vida acadêmica, já que eles participam de eventos como Congressos, Mostras e Olimpíadas Científicas apoiadas pelos principais órgãos de fomento a pesquisa no Brasil, podendo ser considerada, assim, um elemento fundamental na promoção de uma Educação de Qualidade (ODS 4: Educação de Qualidade - Metas 4.1; 4.3; 4.4; 4.5; 4.6; 4.7; 4.b; 4.c).

Resultado de imagem para selo ods 2018 png

PARA SABER MAIS SOBRE OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PROPOSTOS PELA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU) NA AGENDA 2030, CLIQUE AQUI!

O Projeto de Robótica como aula extra-classe (em contraturno escolar) vem sendo desenvolvido na RME desde 2004. Portanto, em 2019, o projeto completa 15 anos de boas histórias e de transformação social. 

Quando aderem ao projeto, além das práticas regulares, as escolas podem optar por participar de concursos e eventos, como a Mostra Nacional de Robótica (MNR), o FLL (FIRST LEGO League), a OBR (Olimpíada Brasileira de Robótica), o TJR (Torneio Juvenil de Robótica), e outros, conforme o interesse e a disponibilidade dos estudantes e professores envolvidos.

A SME contribui com o desenvolvimento do Projeto de Robótica fornecendo materiais, formação continuada e bolsas aos profissionais que desenvolvem as atividades do projeto, além de outros recursos materiais como apoio para visitas de estudos e participação em eventos.

A Robótica Educacional em Contraturno escolar é um projeto ofertado pela Gerência de inovação Pedagógica da Coordenadoria de Tecnologias Digitais e Inovação (CTDI) da SME.

Em 2019, a Robótica Educacional ganha nova roupagem na Rede Municipal da Educação de Curitiba, com a aquisição, distribuição e formação dos profissionais para o trabalho com o kit Microduino em sala de aula. Nesta proposta, a Robótica vem se articular aos conteúdos curriculares, não como "mais uma" ferramenta de ensino, mas como um material e um método que tem potencial transformador na relação de ensino e de aprendizagem.

Em 2019, 170 unidades educacionais com atendimento ao Ensino Fundamental 1 e 2 receberam, cada uma, 10 kits de robótica LUDOBOT, da empesa Microduino. Os professores dessas unidades receberam formação e acompanhamento ao longo de todo o ano para desenvolverem ações envolvendo a Robótica com os conteúdos curriculares.

CONFIRA A RELAÇÃO DE ESCOLAS QUE ADERIRAM AO PROJETO MICRODUINO (ROBÓTICA EM SALA DE AULA) CLICANDO AQUI!

 

CONTATO:

Telefones: (41) 3350-9860 / (41) 3350-9851

E-mail: tecnologias@edu.curitiba.pr.gov.br

tecnologias@educacao.curitiba.pr.gov.br

 

Responsáveis pelo projeto:

  • Microduino (Robótica Regular): Profa. Dagmar Heil Pocrifka Bley  e Anelise Nico Paes.
  • Robótica em Contraturno (Ensino Fundamental 2): Profa. Dagmar Heil Pocrifka Bley  e Anelise Nico Paes.
  • 2002 – Acontece o Instituto de Inverno, um evento que teve a participação de pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology - MIT em parceria com a Secretaria Municipal da Educação de Curitiba. Mais de 200 profissionais da educação participaram de uma imersão de duas semanas ao longo do mês de julho, no Parque Barigui, durante a qual foram desenvolvidas oficinas com os kits de montagem LEGO®, dentre eles o kit de robótica, as oficinas de linguagem de programação LOGO e oficinas para avanço no uso do jornal eletrônico Extra, Extra! nas salas de aula do município.

 

  • 2004 – o município faz a aquisição de kits de montar LEGO® para todas as escolas.

Participação das escolas de 5ª a 8ª série (atual 6º ao 9º anos) da Rede Municipal de Ensino no primeiro torneio FIRST LEGO League (FLL) realizado no Brasil, na cidade de Santo André (SP) com o tema “Missão Marte”.

Foi a primeira vez que estudantes da rede municipal participaram desse evento, sendo a única rede pública de ensino a participar no Brasil naquele ano.

Uma equipe da RME foi classificada para a etapa Mundial, realizada nos Estados Unidos, da qual não foi possível participar, devido ao prazo necessário para as providências da viagem internacional.

 

  • 2005 – Iniciou-se a Rede LEGO®, uma rede de formação presencial e virtual, da qual participavam professores de diferentes escolas, do 1º ao 9º ano.

A Gerência de Tecnologias presta assessoramento aos/as professores/as que demonstram interesse em participar da Robótica Educacional, e também no uso dos materiais LEGO® em geral.

Expressivo crescimento no número de equipes participantes no FLL, alavancando o número de troféus para as escolas da rede municipal. O tema do FLL naquele ano foi “Sem Limites”.

  • 2006 – as 11 escolas que atendem da 5ª a 8ª série (atual 6º ao 9º anos), mais uma escola de 1ª a 4ª série (agora 1º ao 5º ano), o CEI Prof. Adriano Gustavo Carlos Robine (NRE Portão), participam do FLL, totalizando 12 equipes da rede municipal no torneio. A temática do torneio em 2006 foi “Odisseia Oceânica”.

 

  • 2007 – é formada a primeira equipe com estudantes da Sala de Recursos de Altas Habilidades.

Quatro equipes da rede municipal são classificadas para a etapa Brasileira do FLL, cuja temática foi “Nano Quest”.

  • De 2008 a 2011 – A rede municipal da educação participa anualmente dos torneios regionais FLL com 12 equipes, com equipes classificadas para a etapa nacional.
  • 2012 e 2013 – Participação de 5 escolas de 6º ao 9º ano com projetos de robótica educacional sendo desenvolvidos em contraturno:
    • Papa João XXIII (NRE Portão)
    • Albert Schweitzer (NRE CIC)
    • Cel. Durival Britto e Silva (NRE Cajuru)
    • Pref. Omar Sabbag (NRE Cajuru)
    • Prof. Herley Mehl (NRE Boa Vista).

Outras 11 escolas registraram, pelo Moodle, ações ou projetos desenvolvidos com os kits tecnológicos nas práticas de educação integral e/ou outros ambientes.

  • 2013 – duas equipes de escolas municipais, EM Prefeito Omar Sabbag e EM Papa João XXIII, são classificadas para a etapa Nacional do FLL em Brasília (temporada 2012/2013), com a temática “Senior Solution”.
  • 2014 – 4 escolas de 6º ao 9º ano desenvolvem o projeto de robótica educacional em contraturno, e 5 escolas registram ações pontuais ou projetos relacionados aos kits de montagem nas práticas desenvolvidas nas unidades de educação integral.

Nesse ano são classificadas para a etapa Nacional do FLL as equipes das escolas municipais Prefeito Omar Sabbag, Papa João XXIII e Cel. Durival Britto e Silva (temporada 2013/2014, temática “Fúria da Natureza”).

 

  • 2015 – 6 escolas de 6º ao 9º ano desenvolvem projetos de robótica educacional em contraturno, e outras 7 escolas registraram, pelo Moodle, ações ou projetos desenvolvidos com os kits tecnológicos nas práticas de educação integral.

As equipes das escolas Prefeito Omar Sabbag e Papa João XXIII são classificadas e participam da etapa Nacional do torneio FLL em Brasília (temporada 2014/2015, “World Class”).

Também foi estabelecida uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Curitiba e o IFPR - Instituto Federal do Paraná, para a realização de assessoramentos junto às equipes de robótica educacional das escolas. Com isso, em junho daquele ano, as equipes das escolas Prefeito Omar Sabbag, Papa João XXIII e Cel. Durival Britto e Silva, participaram da Olimpíada IFPR de Robótica.

  • 2016 – 7 escolas de 6º ao 9º ano têm o projeto de robótica educacional em contraturno e 6 escolas de Educação Integral desenvolvem ações ou projetos com os kits tecnológicos e de robótica.

Em março de 2016, as equipes das escolas municipais Prefeito Omar Sabbag e Cel. Durival Britto e Silva viajam para Brasília para competir na etapa Nacional do FLL, com a temática “Trash Trek”. A equipe “Conectados”, da escola Cel. Durival Britto e Silva, foi classificada para a etapa Internacional, realizada em Saint Louis, nos EUA, no mês de abril. A equipe foi classificada como uma das 40 melhores equipes de robótica do mundo.

Na temporada 2016-2017 do FLL, as quatro equipes das escolas municipais de Curitiba foram premiadas na etapa regional do FLL, nas categorias “pesquisa” (1º lugar, equipe da escola Papa João XXIII, Papa Power); “trabalho em equipe” (1º lugar para a equipe da escola Prefeito Omar Sabbag, Cyber Rex,); e na categoria geral, ficou com o 1º lugar a equipe Cyber Rex, e com o 4º lugar a equipe Fusion Robôs (escola São Miguel).

Foram classificadas para a etapa Nacional do FLL as equipes das escolas São Miguel (Fusion Robôs) e Prefeito Omar Sabbag (CyberRex), realizada em Brasília no mês de março de 2017, com a temática “Animal Alies”; nesta etapa, a equipe da escola São Miguel, Fusion Robôs, conquistou o troféu na categoria de “melhor técnico do Brasil” para o professor José Ricardo Dolenga Coelho. 

  • 2017 – 6 escolas e 1 CMAEE (Centro Municipal de Atendimento Educacional Especializado) realizaram o projeto de robótica nesse ano.

Foi realizada a I GINCANA DE ROBÓTICA, com  atividades que integraram as turmas das diferentes unidades municipais entre si, além da integração com estudantes de escolas estaduais, do Instituto Federal do Paraná (IFPR), e também dos colégios SESI.

Os estudantes também participaram de palestras, torneios e mostras de trabalho em nível regional e nacional.

Também aconteceram várias oficinas para formação de professores.

Todas as unidades inscreveram equipes para participação da modalidade prática da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) e do Torneio Juvenil de Robótica (TJR), que aconteceram em Curitiba, em agosto.

Duas unidades foram classificadas para a etapa Nacional da OBR (EM Cel. Durival Britto e Silva e EM Pref. Omar Sabbag), que aconteceu em Curitiba, em novembro, e três unidades (CMAEE Profa. Maria Julieta Alves Malty, EM Pref. Omar Sabbag e EM Cel. Durival Britto e Silva) tiveram equipes classificadas para a etapa Nacional do TJR, que aconteceu em novembro, em São Luiz (MA). A participação no TJR rendeu às três equipes a classificação para a etapa internacional, a ser realizada em junho de 2018, em São Paulo.

Todas as unidades participaram, também, da etapa regional do torneio da LEGO, FLL (temporada Hidro Dynamics). Duas equipes se classificaram para a etapa Nacional (EM Pref. Omar Sabbag e EM Cel. Durival Britto e Silva), que aconteceu em março de 2018, em Curitiba.

  • 2018 - expansão do projeto, com 8 escolas municipais e 1 CMAEE realizando a Robótica em Contraturno no ano de 2018.

Os professores do projeto participaram de uma formação de longa duração (32 horas) no primeiro semestre, e também foram promovidas ações pontuais de formação em parceria com a Universidade Uninter e com o FabLab do Sesi Curitiba.

Entre os eventos dos quais os estudantes do projeto participaram nesse ano, se destacam:

  • Mostra de Robótica e Gincana de Robótica, durante o Seminário de Tecnologias, em maio.
  • Participação de 2 equipes da E.M. Cel. Durival Britto e Silva e 1 equipe do CMAEE Profa. Maria Julieta Alves Malty no International Tournament of Robots (ITR)
  • Realização da Olimpíada Brasileira de Robótica, na modalidade teórica, que aconteceu em junho, e na etapa Regional da modalidade prática, em agosto/setembro.
  • Participação na Feira de Invenção e Criatividade (FIC), da Rede Brasileira de Aprendizagem Criativa (RBAC), em Curitiba, em setembro.
  • Participação de todas as unidades na etapa Regional do torneio FLL (temporada Into Orbit), com classificação de 3 equipes para a etapa nacional: E.M. São Miguel; E.M. Cel. Durival Britto e Silva; E.M. Pref. Omar Sabbag.

 

2019 - 6 escolas realizando a Robótica em Contraturno.

  • Participação de 5 unidades na Olimpíada Brasileira de Robótica, na etapa Regional da modalidade prática, em agosto/setembro. Dentre as 5 escolas participantes a equipe Tera Maniacs, da E.M. Maria Clara Brandão Tesseroli, conquistou o 1º lugar na etapa estadual e conquistou uma vaga para párticipar da etapa nacional, que ocorreu no mês de outubro na cidade de Rio grande (RS).